16 MAR | Pensar África – Feitiçaria e Escravatura em Angola: Contornos de um Nexo Histórico

O CEI-IUL organiza, em parceria com o Mestrado e Doutoramento em Estudos Africanos do ISCTE-IUL, mais um seminário Pensar África, subordinado ao tema Feitiçaria e Escravatura em Angola: Contornos de um Nexo Histórico. O evento, organizado pelo investigadora Mojana Vargas, contará com a participação de João Figueiredo (CEIS20-UC) e terá lugar no dia 16 de março de 2017, às 18h, no Auditório Mário Murteira (edifício Sedas Nunes) no ISCTE-IUL. A entrada é livre.

Sobre a conferência

Desde finais do século XVIII, e ao longo de todo o XIX, inúmeras fontes primárias, monografias e compêndios sobre a situação económica e geográfica da colónia angolana estabelecem e reiteram de forma inequívoca o vínculo entre acusações de prática de feitiçaria e a escravização de negros africanos. Contudo, o impacto historiográfico destas provas documentais tem sido praticamente nulo. Nas obras de referência sobre o tráfico negreiro continua a ser dado destaque quase exclusivo a outras formas de criação de escravos, desde os raptos e o aprisionamento de combatentes inimigos, à penhora por dívidas ou à condenação por crimes de adultério, furto ou trespasse. Efeito claro da vigência de práticas historiográficas de marcado viés materialista, esta tendência ainda assim constitui um avanço, tendo em conta as anteriores histórias militares ou hagiografias missiológicas. Nas últimas duas décadas, as crenças e as práticas relacionadas com a feitiçaria, quer na África negra subsaariana, quer no Atlântico Negro, voltaram porém a estar no foco das análises sociológicas dos contextos urbanos e pós-coloniais, do continente e da diáspora. A antropologia, por sua vez, virou-se para as discussões metafísicas e ontológicas. Que impactos podem ter estas evoluções disciplinares na forma como se escreve a história da escravatura? Que contributo podem os historiadores oferecer aos estudos africanos dedicados ao tema da feitiçaria contemporânea?

Pode rever os Seminários ‘Pensar África’ clicando aqui.

Detalhe da "Estampa VII - Marave tomando o Moáve" da obra de António Cândido Pedroso Gamito: "O muata cazembe e os povos maraves, chevas, muizas, muembas, lundas e outros da Africa austral. Diario da expedição portuguesa comandada pelo major Monteiro e dirigida àquelle imperador nos anos de 1831 e 1832. Redigido pelo major A. C. P. Gamito. Com um mappa do país observado entre Tete e Lunda", Lisboa, Imprensa nacional, 1854, p. 98.

 

CC BY-NC-SA 4.0 This work is licensed under a Creative Commons Attribution-NonCommercial-ShareAlike 4.0 International License.

CEI IUL

CEI-IUL (Center for International Studies) is a university-based multidisciplinary research center of the University Institute of Lisbon (ISCTE-IUL). CEI-IUL aims at promoting interdisciplinary research in Social Sciences, International Relations and Economy, focusing in its areas of geographic specialisation: Africa, Asia, Europe, and Transatlantic Relations.

Leave a Reply