Angola. O que esperar de um país sem surpresas?

Duas investigadoras, uma a norte de Angola, outra a sul do continente africano, explicam a questão angolana. Do futuro do país à liberdade de um presidente, eis o que esperar de umas eleições sem surpresas.

Não há surpresas. No final destas eleições, o nome do presidente da República de Angola é o nome do cabeça de lista do MPLA: João Lourenço. Ministro da Defesa de José Eduardo dos Santos, quadro do partido, sucessor do homem que esteve trinta e oito anos à frente de um dos países mais valiosos de África. A conclusão é de duas especialistas em assuntos africanos com que falámos para perceber que futuro tem Angola à espera. O país, que Portugal colonizou durante quatro séculos, é a origem de alguns dos mais importantes investimentos feitos em terras lusas. Da comunicação social à banca, os capitais angolanos alimentam hoje uma considerável fatia da economia nacional. Por isso, sem esquecer tudo o resto, estas eleições são particularmente importantes para Portugal.

Outro dado garantido é que José Eduardo dos Santos vai deixar de ser o presidente da República de Angola. Todavia, significa isso que a dias de fazer 75 anos vai sair de cena? Ana Lúcia Sá, diretora do mestrado em Estudos Africanos do ISCTE-IUL diz que não: “não sai de cena porque vai continuar a ser o presidente do MPLA”, o partido que decide os destinos de Angola desde 1975.

“Se tudo correr como é expectável, o mandato dele como presidente do MPLA vai ser até 2022”, precisamente o tempo da legislatura que sairá das eleições desta quarta-feira.

Leia as declarações da investigadora do CEI-IUL no site de notícias Sapo 24.

José Eduardo dos Santos. Photo by Romério Cunha / CC BY 2.0

CC BY-NC-SA 4.0 This work is licensed under a Creative Commons Attribution-NonCommercial-ShareAlike 4.0 International License.

CEI IUL

CEI-IUL (Center for International Studies) is a university-based multidisciplinary research center of the University Institute of Lisbon (ISCTE-IUL). CEI-IUL aims at promoting interdisciplinary research in Social Sciences, International Relations and Economy, focusing in its areas of geographic specialisation: Africa, Asia, Europe, and Transatlantic Relations.

Leave a Reply