Do Lixo ao Santo António: o que valem as moedas locais?

Ana Margarida Esteves, socióloga e investigadora no CEI-IUL, foi entrevistada pelo DN, na rúbrica ‘sociedade’, para uma reportagem sobre moedas locais.

Segundo Ana Margarida Esteves, “o objetivo é criar moedas que estejam sob o controlo da comunidade e não de entidades abstratas, para que a comunidade possa controlar a taxa de juro em microcréditos, por exemplo, como acontece com o Banco Palmas, no Brasil”, daí que “as relações de proximidade e a confiança” sejam dois dos requisitos para o sucesso destes projetos.

O artigo pode ser lido na íntegra no DN.

Nota local de Campolide. Photo by O Corvo.

CC BY-NC-SA 4.0 This work is licensed under a Creative Commons Attribution-NonCommercial-ShareAlike 4.0 International License.

Ana Margarida Esteves

Researcher at CEI-IUL. PhD in Sociology (Brown University); held a Postdoctoral Fellowship at Tulane University’s Roger Thayer Stone Center for Latin American Studies (New Orleans). Research interests: Social and Solidarity Economy, popular education, community-based finance, participatory action research, alternative food systems, local development, and direct and participatory democracy, as well as on how to integrate “specialist” and “lay” knowledge in academic and activist research.

Leave a Reply