Rohingya: A maior comunidade apátrida do mundo

A crise dos rohingyas é uma das mais longas do mundo e uma das mais negligenciadas, a constatação é o Alto Comissariado das Nações Unidas para os Refugiados.

Representam cerca de 5% dos 60 milhões de habitantes de Myanmar. Não são reconhecidos pelas autoridades, não podem casar ou viajar sem permissão, não têm o direito de possuir terra ou propriedade, não têm acesso ao mercado de trabalho, nem aos serviços públicos como escolas e hospitais.

Desde finais de Agosto que a situação, em Rakhine, onde vive esta minoria, agravou-se quando o exército lançou uma operação militar no oeste do país, em resposta a uma série de ataques do Exercito de Salvação Rohingya de Arracão.

António Guterres, secretário-geral da ONU, qualificou de “completamente inaceitáveis” os alegados ataques das forças de segurança de Myanmar contra os Rohingya.

Em silêncio perante todos estes acontecimentos está a líder de facto de Myanmar Aung San Suu Kyi. A dirigente da ex-Birmânia, no poder desde Abril de 2016, prometeu quebrar o seu silêncio na próxima terça-feira.

Para nos explicar a crise dos rohingyas, a RFI ouviu Faranaz Keshavjee, investigadora do Centro de Estudos Internacionais do ISCTE.

Ouça o comentário de Faranaz Keshavjee no site RFI.

Rohingya refugees. Photo by Dan Kitwood / CC BY 2.0

CC BY-NC-SA 4.0 This work is licensed under a Creative Commons Attribution-NonCommercial-ShareAlike 4.0 International License.

Faranaz Keshavjee

Researcher at CEI-IUL. Undergraduate degree in Social Anthropology and Master’s degree in Social Psychology (ISCTE-IUL). Specialisation course in Islamic Studies and Societies (Institute of Ismaili Studies, London). PhD Candidate (Cambridge University). Lecturer at Univ. Católica, Univ. Lusófona, and ISCSP. Research interests: Islam, gender issues and social identities of Muslim youth.

Leave a Reply