22 JUN | Pensar África – Democracias africanas em análise: O caso angolano

Existe uma democracia típica de África que se diferencia da ocidental? Quais os tipos de democracia possíveis de analisar em países africanos? O que terá levado Angola ao multipartidarismo? Que países têm matrizes políticas mais semelhantes ao tipo Ocidental?

No próximo dia 22 de Junho, às 18h, no Auditório Caiano Pereira (edifício Sedas Nunes) do ISCTE-IUL, terá lugar mais um seminário “Pensar África”, sobre o tema “Democracias africanas em análise: O caso angolano“, com a presença de Germano Chio Correia (ISCTE-IUL). A entrada é livre.

Sobre a conferência

Pretende-se fazer uma análise partindo de argumentos que justifiquem a ideia da existência de uma democracia que se enquadre na geografia africana tendo em conta os pressupostos oferecidos pela história desses povos. Daí a necessidade da pergunta: Existe uma democracia típica de África que se diferencia da ocidental?

Não será feita uma abordagem da realidade típica de cada país a nível do continente, pelo que, se partirá de uma realidade conhecida (o caso de Angola) para então apegar-me nos pontos que podem ser enquadrados na realidade de países como o Senegal, Ruanda, Nigéria, Gana, África do Sul e Cabo Verde.

Será feita uma descrição dos resultados empíricos conseguidos nas entrevistas efectuadas aos estudantes angolanos a viver em Portugal no que respeita a este ponto, que são parte das 
perguntas feitas no decurso de uma investigação de mestrado,compreendendo a parte metodológica. Seguir-se- á uma descrição do processo que levou Angola ao multipartidarismo, o início do exercício democrático deste país; serão ainda referidos os aspetos étnico-culturais que justifiquem a existência de particularidades que sugerem uma reflexão em torno da inclusão de uma democracia tipificadas naquela realidade.

A abordagem sobre o caso do Senegal será um sustentáculo teórico que oferece bases de compreensão da realidade africana partilhando o registo feito na realidade Angolana.

Os casos de Ruanda e Nigéria serão os exemplos a serem avançados para tornar mais representativo o número de países que sugerem a refelexão sobre Àfrica.

O que o Gana, a África do Sul e Cabo Verde têm a oferecer será analisado como parte do tema que ilustra a existência de países africanos com matrizes políticas em avanço para o tipo 
Ocidental.

CC BY-NC-SA 4.0 This work is licensed under a Creative Commons Attribution-NonCommercial-ShareAlike 4.0 International License.

CEI IUL

CEI-IUL (Center for International Studies) is a university-based multidisciplinary research center of the University Institute of Lisbon (ISCTE-IUL). CEI-IUL aims at promoting interdisciplinary research in Social Sciences, International Relations and Economy, focusing in its areas of geographic specialisation: Africa, Asia, Europe, and Transatlantic Relations.

Leave a Reply